Home > Biografias > Biografia de Mahatma Gandhi – Quem foi Gandhi?

Biografia de Mahatma Gandhi – Quem foi Gandhi?

Biografia completa de Mahatma Gandhi, tudo sobre sua vida, lista completa de suas principais obras, pensamentos e frases. Mohandas Karamchand Gandhi nasceu no dia 2 de outubro de 1869 na Índia Ocidental, filho do primeiro-ministro do local onde agora se localiza o estado de Gujarat. Se casou com apenas 13 anos de idade com Kasturba Ghandi, de 14 anos. Em 1888, foi estudar direito na UniversityCollege, em Londres, contrariando as normas de sua casta. Através da nova língua aprendida na Inglaterra, conheceu o Bhagavad-Gita, um dos escritos mais importantes da religião hindu – e que serviria de guia espiritual por toda sua vida, juntamente com o “Sermão da Montanha“, uma passagem da fala de Jesus Cristo no Evangelho.

A luta através da não-violência e da Desobediência Civil

Gandhi se formou em direito e voltou para Índia em 1891, pouco depois de sua mãe ter falecido; porém, sua timidez não o permitiu exercer o trabalho de advogado. Passou então um ano na África do Sul, representando uma firma hindu em um processo judicial; lá, Gandhi teve grande contato com o racismo, além de se tornar um notório advogado, já que sempre procurava trazer à tona o lado bom de seus clientes julgados.Ao final do ano, enquanto planejava seu retorno para a Índia, descobriu que uma lei estava entrando em vigor na África que proibiria o direito ao voto aos hindus. Por insistência de amigos permaneceu no continente, fundando o Congresso Hindu em 1894, o que chamou a atenção da imprensa da época.

O bom trabalho que realizava na África foi reprimido pelos sul-africanos brancos que, em 1897, quando Gandhi retornava ao continente após buscar sua família na Índia, proibiram sua entrada. Gandhi passou semanas em quarentena até ter sua entrada liberada. Ao chegar foi reconhecido e espancado ainda no aeroporto; Gandhi não processou seus agressores.

Em 1906 a Inglaterra declarou guerra contra o Reino Zulu, e Gandhi incentivou os britânicos a recrutarem indianos, que ficariam na parte de cuidados aos soldados feridos – comandada por ele mesmo. Essa experiência de 2 meses serviu para mostrar ao advogado que ele não conseguiria vencer o exército britânico em sua luta por mais direitos aos indianos pela força; ele teria que usar a não-violência. Gandhi viveu na África do Sul por 20 anos, liderando a luta dos direitos aos hindus – tanto aos que viviam no continente quanto aos que moravam em seu país natal. Nesse mesmo ano passou a seguir fielmente os juramentos do Brahmacharya, aceitando inclusive o celibato por 30 anos.

Mahatma Gandhi
Mahatma Gandhi

A primeira vez que usou o princípio da não-violência foi em setembro de 1906, quando o governo de Transvaal (extinta província sul-africana) tentou registrar a população hindu. Revoltados e humilhados, os hindus da região se uniram em frente ao Teatro Imperial de Joanesburgo, ameaçando uma resposta violenta à medida; entretanto, optaram por simplesmente não se registrarem, desobedecendo as normas de inscrição. Gandhi chamou esta técnica de Satyagraha (“força da verdade“). Uma semana depois do ato, o governo dispensou as mulheres do registro; em 1907 finalmente conseguiram implementar o “Ato de Inscrição Asiático“, e Gandhi foi preso por dois meses.

Durante o período em que esteve preso, Gandhi trocou cartas com Leon Tolstoi, que o indicou a leitura de Henry David Thoreau; com a leitura, o pacifista descobriu o conceito da Desobediência Civil.

Em 1908, se divorciou de sua primeira mulher, com quem teve 4 filhos. Em 1910, iniciou duas comunidades agrícolas e escreveu o “Opinião Indiana“, dissertando sobre o direito dos hindus e as práticas da não-violência. Em novembro de 1913, Gandhi liderou uma passeata com mais de 2.000 pessoas; foi preso e solto ao pagar a fiança. Foi preso novamente dias depois, foi libertado e, 4 dias depois de sua liberdade, foi preso mais uma vez, dessa vez passando três meses em trabalho forçado. Fora da prisão as greves e protestos por melhorias nas condições trabalhistas e no respeito à população hindu aumentavam. Milhares de indianos foram presos e condenados ao trabalho escravo na prisão.

Voltando à Índia em 1915, Gandhi descobriu um país completamente dominado e explorado pelos britânicos; decidiu que era a hora dos indianos buscarem a independência de seu país através da não-violência. Recebeu uma grande quantia de dinheiro de um anônimo, que serviu para que ele vivesse relativamente bem por um ano, além de ajudar crianças e moradores de rua.

Conquistou várias vitórias, principalmente nas melhorias das condições de trabalhadores nas indústrias têxteis. Gandhi sugeriu que todos passassem a fazer suas próprias roupas, simples, e que as mulheres (nunca antes postas ao trabalho) deveriam ajudar na tecelagem – a vitória foi tão marcante que o tear se tornou símbolo da luta, sendo inclusive gravado na bandeira indiana. Sua primeira luta pró-independência, entretanto, se deu apenas em 1919. Apesar do povo indiano ter ajudado a Inglaterra na guerra, seus direitos de liberdade estavam sendo cada vez mais reduzidos, especialmente depois do “RowlattAct“. Gandhi iniciou então uma campanha pelo país para que camponeses não pagassem seus impostos e que ninguém consumisse bebida alcoólica (monopólio inglês). Sua campanha pela expulsão dos britânicos se tornou mais forte após o Massacre de Amritsar em 1920, quando soldados ingleses mataram centenas de indianos que protestavam pacificamente contra as medidas instituídas pela Inglaterra. Foi preso em 18 de março de 1922 e condenado a seis anos de prisão, os quais cumpriu apenas dois, graças a pressão pública para sua libertação. Em 1928 fez uma nova campanha usando a não-violência contra o aumento dos impostos britânicos. O governo inglês repreendeu, mas os indianos continuaram pacíficos; após vários meses os britânicos frearam os aumentos, libertaram os prisioneiros e os camponeses finalmente voltaram a pagar seus impostos.

Em 11 de março de 1930, Gandhi comandou a “Marcha do Sal“, o início de uma nova onda de desobediência civil para conquistar a independência da Índia. O governo britânico havia proibido os hindus de fazerem seu próprio sal, também monopólio inglês; essa medida afetava principalmente os mais pobres. Gandhi marchou junto a mais de 60.000 de indianos por mais de 24 dias até a costa indiana, recolhendo água salgada em panelas e deixando-as secarem ao sol. Milhares foram presos, incluindo Gandhi, mas não houve resistência. Gandhi fez um acordo com o vice-presidente indiano em 1931, onde ficou estabelecido que a desobediência civil seria interrompida, todos os prisioneiros seriam libertados e a produção do sal voltaria às mãos dos hindus.

Em 1932 Gandhi entrou em jejum pelos Harijans (como chamava os Dalits, casta indiana considerada “intocável“), pois eles tinham um papel eleitoral diferenciado. Jejuaria até a morte se fosse preciso, mas não foi: logo a situação foi mudada e até templos hindus para Dalits foram criados.

Durante a 2ª Guerra Mundial, Mahatma Gandhi propôs modos de resistência não-violentos contra os japoneses, ao mesmo tempo que criava a campanha “Ouit Índia“ (Saiam da Índia), o maior e mais violento (por parte dos ingleses) movimento indiano pela sua independência. Foi preso no dia 9 de agosto de 1942 junto a outros líderes indianos e jejuou novamente – apenas ele sobreviveu na prisão, sendo libertado dois anos depois. Com o fim da guerra saiu em peregrinação pelo país; a independência da Índia se fazia necessária – e urgente –, mas Muhammad Ali Jinnah, líder muçulmano, exigia a criação de um novo Estado: o Paquistão. Gandhi tentou acalmar os muçulmanos, o que irritou os hindus, que achavam que ele havia “trocado de lado“. Jejuou novamente até que os líderes de ambos os lados assinaram um acordo de paz. Antes de assinarem, Gandhi alertou que caso alguma parte se rebelasse, ele jejuaria até a morte.

Em agosto de 1947 a Índia conquistou sua tão sonhada independência, mas Gandhi não celebrou – para ele, a divisão do país em Índia e Paquistão não era motivo de felicidade. No dia 13 de janeiro de 1948 iniciou um jejum em protesto contra as violências entre hindus e paquistaneses. No dia 20 do mesmo mês, uma bomba foi lançada em sua direção, mas ninguém ficou ferido.

Dez dias depois do atentado, Nathuram Godse, um hindu radical, assassinou Mahatma Gandhi a tiros, em Nova Déli. Godse foi condenado à forca, contrariando o último pedido de Gandhi – que seu assassino não fosse punido. O corpo de Gandhi foi cremado e suas cinzas foram jogadas no rio Ganges. Gandhi foi indicado 5 vezes ao Prêmio Nobel da Paz, porém nunca ganhou. Na entrega do Prêmio ao Dalai Lama Tenzin Gyatso em 1989, o comitê reconheceu o erro e afirmou que esse Prêmio seria, em parte, destinado ao pacifista indiano.

O título de Mahatma representa o reconhecimento de seu papel como líder espiritual. Gandhi não foi só uma importante figura política, central na independência da Índia; sua maneira de ver o ser humano – igual e bom, mesmo que a princípio não pareça –, seu desprendimento por tudo que remetesse à riqueza e sucesso e, principalmente, sua incansável luta pelo amor e pela paz são admiradas até hoje, e servem de exemplo para todas as lutas sociais, geração após geração.

Pensamentos e Frases de Mahatma Gandhi

A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência. (Pensamentos e frases de Gandhi)

Aqueles que têm um grande autocontrole, ou que estão totalmente absortos no trabalho, falam pouco. Palavra e ação juntas não andam bem. Repare na natureza: trabalha continuamente, mas em silêncio.  (Pensamentos e frases de Gandhi)

Você tem que ser o espelho da mudança que está propondo. Se eu quero mudar o mundo, tenho que começar por mim.  (Pensamentos e frases de Gandhi)

De modo suave, você pode sacudir o mundo.  (Pensamentos e frases de Gandhi)

A verdadeira riqueza de um homem é o bem que ele faz ao seu semelhante.  (Pensamentos e frases de Gandhi)

O amor é a força mais abstrata, e também a mais potente que há no mundo.  (Pensamentos e frases de Gandhi)

Sempre houve o suficiente no mundo para todas as necessidades humanas; nunca haverá o suficiente para a cobiça humana.  (Pensamentos e frases de Gandhi)

Check Also

Candido-Portinari

Biografia de Portinari – Vida e Obra

Confira a biografia completa de Portinari, tudo sobre sua vida e a lista completa de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *