Home > Biografias > Biografia de Dante Alighieri – Vida e Obra

Biografia de Dante Alighieri – Vida e Obra

Confira a biografia completa de Dante Alighieri, tudo sobre sua vida, a lista completa de suas principais obras, pensamentos e frases. Pouco se sabe sobre a vida de Dante Alighieri. A maior parte das informações sobre sua família, educação e opiniões são suposições ou são baseadas nos relatos do próprio Dante em seus poemas; muitos mitos foram criados em torno de sua figura e propagados ao longo dos séculos, tornando difícil – senão impossível – separar realidade de ficção.

Dante, abreviação de Durante, nasceu entre maio e junho de 1265 em Florença, vindo de uma família da nobreza. Sua mãe morreu quando Dante Alighieri tinha apenas 5 ou 6 anos de idade, e seu pai logo se casou de novo, dando-lhe dois irmãos (Francesco e Tana).

Com apenas 12 anos, em 1277, se casou com Gemma por imposição da família – a prática e a idade em que as crianças se casaram era comum naquela época. O casal teve filhos e muitas crianças surgiram alegando serem filhos de Dante, mas o mais provável é que tiveram, de fato, três: Jacopo, Pietro e Antonia.

Sobre sua educação, presume-se que tenha estudado em casa, se tornando autodidata. Estudou a poesia toscana e teve Brunetto Latini como instrutor (como relatou mais tarde na Divina Comédia); esta poesia centrava-se em um grupo cultural da Sicília, que por sua vez se localizava a uma enorme distância de Florença, com sua própria cultura, política e dialeto. Vale ressaltar que a península itálica se encontrava fragmentada em pequenos micro-estados independentes, com pouca comunicação e muitas guerras por território. Dante Alighieri tentou se manter a par do que acontecia nas províncias próximas (ou nem tão próximas assim), tanto na vida cultural quanto na literatura.

Dante Alighieri
Dante

Aos 18 anos, Dante Alighieri lança o “Dolce Still Nuovo“ junto a outros poetas locais. Foi também nessa idade em que conheceu Beatriz – mesmo não se sabendo se eles algum dia chegaram a se falar ou não –, personagem essencial na vida de Dante (e na literatura italiana). O poeta inaugurou a poesia lírica italiana, sendo um dos primeiros a colocar a temática do amor em seus versos.


A época em que Dante Alighieri nasceu e cresceu foi marcada por diversos confrontos na península itálica, ainda não unificada e divida entre o poder do papa e o poder do Sacro Império Romano. Sua família apoiava o partido dos guelfos, que lutavam contra outro grupo florentino, os gibelinos. Dante lutou em 11 de junho de 1289 na batalha de Campaldino e outras batalhas, geralmente como médico e farmacêutico. Entre 1295 e 1300, fez parte do “Conselho dos Cem” (o conselho da comuna de Florença), onde fez parte dos seis priores que governavam a cidade.

Beatrice morreu em 1290, o que levou Dante Alighieri a um profundo estudo da filosofia em escolas religiosas, participando de diversos debates em torno da Ordem dos Franciscanos e a Ordem dos Dominicanos (no qual fazia parte). Beatrice aparece frequentemente na Divina Comédia; Dante se debruçou sobre o amor e o pesar que a jovem lhe trouxe, e escreveu alguns dos mais belos versos da poesia italiana.

Seu envolvimento político gerou muitos problemas. As batalhas na região se intensificavam, o papa Bonifácio VIII planejava atacar Florença. Dante foi enviado à Roma mas, no dia 1º de novembro de 1301, Carlos de Valois invadiu a cidade com os guelfos negros, que por 6 dias devastaram a cidade e provocaram um massacre dos guelfos brancos, resultando na facção negra subindo ao poder. Dante foi condenado ao exílio por 2 anos e multado em uma enorme quantia – o poeta não pagou a multa e, por isso, foi condenado ao exílio perpétuo, sob pena de ser queimado vivo caso voltasse à Florença.

Dante Alighieri tentou recolocar os guelfos brancos no poder, mas inúmeras traições fizeram seu plano falhar. Amargurado, começou a escrever em exílio a Divina Comédia (que durou 14 anos para concluir), poema constituído por 100 cantos, divididos em três livros (“Inferno”, “Purgatório” e “Paraíso”) com 33 cantos cada. Nela, Dante descreve sua viagem através do Inferno, guiado pelo poeta romano Virgílio (símbolo da razão humana); Purgatório, e Paraíso, guiado pela mão de Beatriz (símbolo da teologia e graça divina). Dante Alighieri dá ao poema uma grande carga de teologia, soando muitas vezes como profético; muito do que se propaga nas crenças cristãs foram extraídas da Divina Comédia – vale colocar que “Comédia“ nada tem a ver com ser engraçado, apenas se opõe à Tragédia, quando o personagem termina mal na história. A Divina Comédia é tida como o maior símbolo literário e síntese do pensamento medieval, período sintetizado hoje como a “Idade das Trevas“.

Em 1310, Arrigo VII do Luxemburgo invadia a Itália. Dante Alighieri escreveu ao conquistador cartas abertas onde incitava o ódio e a violência contra os guelfos negros, misturando religião e assuntos privados. Muitos guelfos brancos foram posteriormente anistiados, podendo regressar de seu exílio; Dante, entretanto, ultrapassou todos os limites em suas cartas, sendo proibido de retornar à cidade. Foi para Verona em 1313, onde Cangrande I della Scala, o Senhor de Verona, lhe permitiu viver bem (Dante coloca Cangrande no Paraíso de sua Comédia).

Dante Alighieri teve a chance de retornar à Florença em 1315, mas, para isso, precisava pagar uma multa e se retratar publicamente como ofensor da ordem pública. O poeta se recusou a humilhação, preferindo continuar exilado, mesmo que sentisse que o exílio era como a morte, privando-o de tudo aquilo que o constituía como pessoa; pouco depois, foi dada a chance à Dante de trocar a pena de morte pela pena de prisão, sob a condição de que teria que ir à Florença jurar que nunca mais entraria na cidade. Como Dante não foi, a sentença da morte recaiu sobre seus filhos.

Em 1318, Dante Alighieri foi convidado pelo Príncipe de Ravena para morar em sua cidade, e Dante aceitou. Foi lá que morreu aos 56 anos de idade, em 1321, vítima de uma possível malária. Seus restos mortais nunca voltaram para Florença, ficando na última cidade que Dante residiu. Em sua sepultura constam alguns versos de seu amigo Bernardo Canaccio, que coloca Florença como “mãe de pequeno amor“.

Principais Obras de Dante Alighieri

  • Divina Comédia
  • De Vulgari Eloquentia
  • Vita Nova
  • Le Rime
  • Il Convivio
  • Monarchia
  • As Epístolas
  • Éclogas

Frases de Dante Alighieri

Quanto maior é a sede, maior é o prazer em satisfazê-la. – (Frases de Dante)

Muito pouco ama, quem com palavras pode expressar quanto muito ama. – (Frases de Dante)

A razão vos é dada para discernir o bem do mal. – (Frases de Dante)

Curiosidades sobre Dante Alighieri

  • Em 2007, cientistas italianos da Universidade de Bologna recriaram a face de Dante. Crê-se que o modelo seja o mais próximo possível de sua verdadeira aparência. Seu retrato, feito por Botticelli, foi usado como base junto ao crânio.
  • Dante, como expoente da literatura universal foi utilizado como referência cultural e didática indispensável pela autora portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen, que o utilizou como personagem no livro infanto-juvenil “O Cavaleiro da Dinamarca“, onde é apresentado às jovens gerações como alguém que terá tido contato com realidades transcendentes ou que, não as tendo tido, deixou ainda assim, uma obra por si mesma transcendente.

Check Also

Candido-Portinari

Biografia de Portinari – Vida e Obra

Confira a biografia completa de Portinari, tudo sobre sua vida e a lista completa de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *