Home > Biografias > Vida e Obra de Charles Darwin – Quem foi Darwin?

Vida e Obra de Charles Darwin – Quem foi Darwin?

Charles Robert Darwin nasceu em Shropshire, Inglaterra, no dia 12 de fevereiro de 1809, sendo o quinto dos seis filhos do médico Robert Darwin e de Susannah Darwin, que faleceu quando Charles tinha apenas 8 anos. No ano seguinte à morte de sua mãe, em 1818, foi estudar na escola Shrewbury, e seu interesse pela natureza já se mostrava claro.

Darwin nasceu e cresceu em uma época onde o pensamento comum era de que a Terra e todas as coisas existentes nela haviam sido criados da maneira exata descrita pela Bíblia, e que tudo havia permanecido basicamente igual, por vontade divina. Os que defendiam essa ideia eram chamados de “criacionistas“.

Em 1825, entrou para a faculdade de medicina na Universidade de Edimburgo, mas sua aversão à cirurgias fez com que negligenciasse seus estudos. Aprendeu taxidermia com um ex-escravo negro chamado John Edmonstone, que o ensinava sobre as florestas tropicais da América do Sul.  Já no segundo ano da faculdade se tornou participante de sociedades estudantis para naturalistas, sendo pupilo de Robert Edmond Grant, pioneiro no desenvolvimento de teorias de Lamarck e do avô de Charles, Erasmus Darwin, sobre a evolução de características adquiridas; Charles se interessava somente pelas aulas naturalistas, como história natural e classificação das plantas.

Decepcionado com a falta de interesse do filho pela medicina, o pai de Charles o matriculou na Universidade de Cambridge em 1827, a fim que Charles se tornasse um clérigo – que, além de prover uma boa renda, tinha em seu meio muitos naturalistas. Foi apresentado por seu primo ao reverendo John Stevens Henslow, professor de botânica que viria a ser seu tutor. Darwin se interessava muito por teologia, sobretudo no que dizia respeito às teorias do projeto divino, e ficou em 10º entre os 178 aprovados no curso.

Pouco tempo depois, viajou com o reverendo Adam Sedgwick, seu professor no curso de Geologia, para fazer um mapeamento estratigráfico do País de Gales. Ao retornar para casa, recebeu uma carta de Henslow, que o recomendava viajar como acompanhante de Robert FitzRoy – capitão do barco inglês HMS Beagle – em uma viagem de 2 anos para mapear a costa da América do Sul. A viagem durou no total 4 anos 9 meses e transformou profundamente diversas áreas da Ciência.

Charles Darwin - Biografia
Charles Darwin – Biografia

Na viagem, Darwin estudou fósseis e a geologia do local, coletou espécimes novos para a ciência, conheceu nativos e colonos; seus estudos sobre a biocenose fizeram-no um dos precursores no campo da ecologia, e suas anotações sobre a vida local serviram de base para seus trabalhos sobre política e antropologia. Suas observações sobre os fosseis encontrados e suas similaridades com animais não-extintos foram relatadas em seu livro “A Viagem do Beagle“; pouco depois, Darwin começava a dar os primeiros passos na teoria evolucionista.

Em outubro de 1833, Darwin contraiu uma febre na Argentina e, em julho de 1834, adoeceu e ficou um mês de cama; a partir de 1837, passou a ter enjôos, vômitos, dores estomacais e outras enfermidades – que pioravam em situações estressantes – constantemente. Nenhum tratamento melhorava e a causa de sua doença permanece desconhecida até hoje.

Quando o Beagle retornou à Inglaterra, no dia 02 de outubro de 1836, Darwin era considerado uma celebridade no meio científico. Seu pai havia feito diversos investimentos lucrativos, de forma que Darwin poderia viver bem e ter sua carreira de cientista auto-sustentada.

No dia 04 de janeiro de 1837, Darwin publicou seu primeiro artigo na Geological Society de Londres, onde afirmava que a massa terrestre da América do Sul se erguia lentamente. No mesmo dia, apresentou os mamíferos e as aves que havia capturado em sua viagem à Zoological Society; no dia 17 de fevereiro de 1837, Darwin entrou para o conselho da Geological Society.

Na mesma época que seu prestígio no meio científico aumentava, Darwin trabalhava em um livro sobre a geologia da América do Sul e secretamente se debruçava sobre a questão da transmutação de espécies encontradas em diferentes continentes – desenvolveu a hipótese que as tartarugas da Ilha de Galápagos, apesar de diferentes em cada ilha, são originárias de uma mesma espécie, que se adaptou de maneiras diferentes em cada lugar. Também organizou os relatórios de vários especialistas que trabalharam nas coleções de fosseis e espécimes trazidas de sua viagem, compilando-os no livro “Zoologia da Viagem do H.M.S. Beagle“

Em 11 de novembro de 1838 pediu a mão de sua prima, Emma Wedgwood, em casamento. Emma aceitou, apesar de sua preocupação que as ideias e os lapsos de fé de Darwin impedissem que os dois se encontrassem após a morte, como ela acreditava. Enquanto isso, a saúde do cientista piorava cada vez mais. O casamento aconteceu no ano seguinte; juntos, o casal teve 10 filhos, dos quais 3 morreram prematuramente. Muitos de seus filhos e netos alcançaram notoriedade, e muitos tinham doenças e fraquezas, o que Darwin temia ser consequência por se casar com sua prima.

Temendo as críticas científicas e religiosas, Darwin desenvolveu sua teoria evolutiva em segredo por décadas. Ele estava convencido sobre ela, mas sabia também que a ideia de transmutação de espécies era considerada blasfêmia, e que apresentá-la colocaria em risco toda a sua reputação e sua carreira. Explicava para amigos próximos, mas eles se mostravam desinteressados, alegando que uma seleção de espécies exigiria um selecionador divino.

Em 1839, foi lançado o diário de Darwin em sua viagem, conhecido hoje como “A Viagem do Beagle“, enorme sucesso de vendas. Em dezembro do mesmo ano, quando Emma engravidou pela primeira vez, a saúde de Darwin voltou a ficar comprometida e, em 1842, a família se mudou para sua casa no campo para fugir da pressão de Londres. Lá, Darwin escreveu um pequeno texto sobre sua teoria, que seria expandido em 1844 para um documento de 240 páginas intitulado “Ensaio“. Em 1849, sua filha Annie faleceu depois de um longo período doente, e Darwin perdeu sua fé em um Deus benevolente. Em 1853, recebeu a medalha real da Royal Society e, completados seus estudos sobre cracas (Cirripedia) em 1854, voltou sua atenção para sua teoria de transmutação.

Finalmente, em 1856, pressionado pelo amigo cientista Charles Lyell, Darwin iniciou seu livro – dividido em 3 volumes – intitulado “Seleção Natural“. A apresentação de sua teoria se deu no dia 1º de julho de 1858, na LynneanSociety, no artigo chamado “Sobre a Tendência das Espécies de formarem Variedades; e sobre a Perpetuação das Variedades e Espécies por Meios Naturais de Seleção”; entretanto, Darwin não pode comparecer à apresentação, pois seu filho mais novo tinha falecido recentemente.

A teoria chamou pouca atenção inicial, considerada apenas mais uma entre muitas correntes do pensamento evolutivo. Nos 13 meses que se passaram, Darwin lutou contra sua doença, e com dificuldade escreveu um resumo do “Seleção Natural“ (os 3 volumes originais somam 250 mil páginas). Esse resumo foi intitulado “Sobre a origem das espécies por meio de seleção natural”, lançado no dia 22 de novembro de 1859; as 1250 cópias colocadas à venda foram esgotadas rapidamente. Darwin evitou usar termos como “evolução“ no seu livro, pois o termo causaria uma enorme reação da Igreja; também mencionou de forma breve a ideia de que seres humanos evoluiriam da mesma forma que outros organismos. Nele, Darwin teorizou que as espécies evoluíam por meio de uma seleção natural, onde os mais aptos sobreviveriam em ambientes específicos distintos.

Darwin acompanhava atentamente as controvérsias que seu livro causava na opinião pública; os críticos rapidamente inferiram que, segundo o autor, os “homens seriam descendentes de macacos“. O corpo científico da Igreja reagiu contra o livro, apesar da boa aceitação que recebeu de jovens naturalistas. Muitos sentiram que a visão de Darwin acabava com a distinção entre homens a animais. O cientista raramente se pronunciava – muito em consequência de sua doença –, apesar de ler tudo o que aparecia sobre o debate. Sua teoria foi absorvida pela cultura popular, o livro foi traduzido para vários idiomas e se tornou o livro mais controverso e discutido da história, influenciando radicalmente todas as teorias das ciências naturais da época.

Em 1881, Darwin passou a se debruçar sobre os aspectos mais controversos de seu livro, que havia evitado abordar anteriormente: a evolução da espécie humana a partir de animais primitivos, os mecanismos de seleção sexual e as possíveis causas ao desenvolvimento da sociedade e das habilidade mentais humanas. Só interrompeu seu trabalho quando mais uma de suas filhas adoeceu. Nesse momento começou a se interessar por orquídeas e começou seu estudo sobre como flores controlavam a polinização feita pelos insetos e garantiam a fertilização cruzada.

Darwin também adoeceu algum tempo depois – mais uma vez –, mas ainda assim escreveu seu livro “Variação“, de 2 volumes. Assim que saiu, o livro foi igualmente procurado.

A evolução humana foi amplamente debatida por simpatizantes e críticos após o lançamento do “Origem das Espécies“, mas Darwin só explorou o assunto uma década depois, no livro “A descendência do Homem e Seleção em relação ao Sexo”, de 1871, também em 2 volumes. No segundo volume, ele introduz o conceito de seleção natural e explicou a evolução da cultura humana, as diferenças entre sexos e entre raças. No ano seguinte, publicou seu último grande trabalho, “The Expression oftheEmotions in Man andAnimals”, focado na evolução da psicologia humana e seu entrelaçamento com o comportamento dos animais.

Darwin morreu no dia 19 de abril de 1882, em Kent, na Inglaterra, por complicações de sua doença. Foi uma das cinco pessoas não ligadas à família real inglesa a ter um funeral de Estado no século XIX e foi enterrado na abadia de Westminster, próximo a Charles Lyell, William Herschel e Isaac Newton. Espécies de seres vivos e elementos geológicos foram batizados com seu nome após sua morte, e escolas e centros de estudos foram fundados em sua homenagem; foi eleito como a 16ª maior personalidade da História, em uma lista compilada pelo historiador Michael H. Hart em 1992; Passou, a partir de 2000, a figurar a nota de 10 libras; e apareceu em 4º lugar na 100 GreatestBritons, compilada por voto popular pela BBC.

Darwin enfrentou os críticos, a pressão religiosa e científica, e desenvolveu a teoria que é hoje considerada o paradigma central para explicar diversos fenômenos na biologia. Foi considerado herege e desacreditado por muitos, mas seus estudos e longos anos de observação foram cruciais para o desenvolvimento de inúmeras ciências, desde a Biologia até a Antropologia.

Teoria de Darwin – A obra de Charles Darwin


Charles Darwin foi responsável por desenvolver a teoria da seleção natural (evolução das espécies). Segundo Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência do que os menos adaptados. Consequentemente os organismos mais adaptados deixam um número maior de descendentes e são, portanto, selecionados para aquele ambiente.

Princípios básicos da teoria de Charles Darwin

  • Os indivíduos de uma mesma espécie apresentam variações em todos os caracteres, não sendo portanto idênticos entre si.
  • Todo organismo tem grande capacidade de reprodução, produzindo muitos descendentes. Entretanto, apenas alguns dos descendentes chegam à idade adulta.
  • Assim, há grande “luta” pela vida entre os descendentes, pois apesar de nascerem muitos indivíduos, poucos atingem a maturidade, o que mantém constante o número de indivíduos na espécie.
  • Na “luta” pela vida, organismos com variações favoráveis às condições do ambiente onde vivem têm maiores chances de sobreviver, quando comparados aos organismos com variações menos favoráveis.
  • Os organismos com essas variações vantajosas têm maiores chances de deixar descendentes devido a transmissão de caracteres de pais para filhos, os descendentes por consequência apresentarão variações vantajosas.
  • Assim, ao longo das gerações, a atuação da seleção natural sobre os indivíduos mantém ou melhora o grau de adaptação destes ao meio.

Pensamentos e Frases de Charles Darwin

Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças. (Frases de Darwin)
Não há diferenças fundamentais entre o homem e os animais nas suas faculdades mentais (…) os animais, como os homens, demonstram sentir prazer, dor, felicidade e sofrimento. (Frases de Darwin)
A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana. (Frases de Darwin)
O homem, em sua arrogância, pensa de si mesmo como uma grande obra, merecedora da intervenção de uma divindade. (Frases de Darwin)
A atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana. (Frases de Darwin)

Check Also

Candido-Portinari

Biografia de Portinari – Vida e Obra

Confira a biografia completa de Portinari, tudo sobre sua vida e a lista completa de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *